Superando limites: deficientes visuais apostam na corrida de rua

A Avistar incentiva a participação de deficientes visuais na 5ª Corrida Turística de Piracicaba

Em todo o mundo, fala-se muito sobre a inclusão dos portadores de deficiência à sociedade: leis determinam a contratação de deficientes em empresas, cidades adaptam sua arquitetura para facilitar o acesso a diferentes lugares, meios de transporte são modificados para dar cada vez mais autonomia a essas pessoas, que representam 18,8% da população brasileira (de acordo com o IBGE – Censo 2010). Mas há uma área em que os avanços para a inclusão do deficiente ainda são muito tímidos: competições esportivas, especialmente corridas de rua.

É com intuito de melhorar esse fator, que a Cataguá Construtora oferece as ruas de Piracicaba para a 5ª Corrida Turística, com a participação de deficientes visuais da Avistar. Na categoria Corrida de 5,5 km e Caminhada 4 km que Eduardo Gonçalves, Nicéia Almeida Meleke e Jandira Bonetti vencem suas barreiras e superam seus limites. “Há dois anos fiz a minha primeira corrida, e não quis mais parar. Com o auxílio de um guia e a orientação adequada, consigo cumprir as provas sem maiores dificuldades. É claro, que a deficiência nos limita muito, mas é preciso suprir esse déficit e seguir em frente, é na Corrida que vejo o quanto posso vencer meus limites”, afirmou Eduardo Gonçalves, que participará da categoria Corrida 5,5km.

A Avistar, localizada em Piracicaba – SP, é uma entidade sem fins lucrativos, que visa promover condições favoráveis ao pleno desenvolvimento das pessoas com deficiência visual, assim como inserção profissional e qualidade de vida. Desde 2012 busca incluir os deficientes visuais na corrida de rua, integrando-os a sociedade e fazendo com que eles possam demonstrar suas habilidades e competência, mesmo portando uma deficiência.

No percurso os participantes serão acompanhados de pessoas guias, pré-determinadas e que treinam junto com eles nas atividades de Educação Física da ONG. No caso dos caminhantes, o atleta escolhe alguém de sua confiança para guiá-lo. “Vale lembrar que não se utiliza cães e outros auxílios no esporte, a não ser guias videntes (pessoas) aptas para a prática esportiva”, esclarece o professor de Educação Física da Avistar, Eduardo de Paula Azzini.

Não perca! É no dia 29 de junho às 8h na Rua do Porto. Um evento socioesportivo que oferece oportunidades para incluir os deficientes, proporcionando a eles um circuito seguro e rodeado pela natureza.

 

Voltar